Antigo talismã cristão descoberto

O fragmento de um papiro de aproximadamente 1500 anos foi descoberto na semana passada e está sendo considerado um dos mais antigos talismãs cristãos. Escrito em grego, o papiro utiliza a simbologia da Última Ceia para fins de proteção, combinando as passagens de Salmos 78:23-24 e Mateus 26:28-30.

Dra. Roberta Mazza

Dra. Roberta Mazza. (Imagem: Universidade de Manchester)

A descoberta foi feita pela Dra. Roberta Mazza, pesquisadora da Universidade de Manchester, Inglaterra, enquanto trabalhava com documentos raros do acervo da Biblioteca John Rylands. Ela explica que o papiro é significativo por mostrar aspectos importantes do cristianismo primitivo. Segundo Mazza, cristãos adotaram a prática egípcia de usar ou carregar talismãs contendo papiros, substituindo as orações feitas a deuses egípcios ou greco-romanos por passagens bíblicas.

Parte do papiro de 1500 anos

Parte do papiro de 1500 anos (Imagem: Universidade de Manchester)

O papiro encontrado teria provavelmente pertencido a alguém que vivia próximo da atual cidade egípcia de el-Ashmunein. O texto foi escrito no verso de um recibo de impostos sobre grãos. Há alguns erros de ortografia e pequenas alterações na ordem das palavras, sugerindo que os versículos bíblicos não foram copiados, mas escritos de memória. “Podemos dizer que este é um exemplo incrivelmente raro do cristianismo e a Bíblia tornando-se significativos a pessoas comuns – não apenas sacerdotes e a elite.”, afirma a pesquisadora.

 

Não falem demais

cartazOntem aconteceu a “Reunião de Irmãs da Área da Europa”,  realizada na Alemanha e transmitida ao vivo pela internet, destinado às mulheres sud europeias. Entre os oradores estavam M. Russell Ballard e David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, e Donald L. Hallstrom, da Presidência dos Setenta. O cartaz do evento já havia suscitado a observação de que trazia a foto de três oradores homens numa reunião voltada exclusivamente para mulheres, o que seria revelador da posição da mulher na Igreja. Mas o discurso dado pelo Élder Ballard superou as expectativas do que poderia ser inadequado no trato com as mulheres.

Este é um trecho do seu discurso em que é afirmada a importância da participação feminina na Igreja:

Não podemos, não podemos cumprir nosso destino como a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em preparar este mundo para a segunda vinda do Salvador do mundo sem o apoio e a fé das mulheres desta igreja. Precisamos de vocês. Precisamos de suas vozes. Elas precisam ser escutadas. Precisam ser ouvidas em sua comunidade, em seus bairros, precisam ser ouvidas dentro do conselho da ala ou conselho do ramo. Mas não falem demais nessas reuniões de conselho, apenas corrijam os irmãos rapidamente e sigam adiante. Estamos construindo o reino de Deus.¹

Continuar lendo

Ensinamentos de Ezra Taft Benson serão estudados em 2015

President Ezra Taft BensonEm 2015, membros sud ao redor do mundo usarão em suas reuniões da sociedade de Socorro e dos quóruns do sacerdócio de Melquisedeque o novo Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Ezra Taft Benson. Décimo-terceiro presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Benson assumiu a liderança máxima da igreja em 1985, aos 86 anos de idade, vindo a falecer em 1994, aos 94 anos.

Antes de assumir a presidência da igreja, Benson foi famoso por suas posições políticas, em particular por seu ferrenho anticomunismo. Benson também foi o único apóstolo sud a servir como ministro de estado, sendo secretário da agricultura do governo Eisenhower, entre 1953 e 1960. Em 1968, Benson aceitou concorrer à presidência dos EUA pelo pequeno Partido Americano Independente, desistindo após. O novo manual, porém, não traz ensinamentos de natureza política.

A publicação em português já está disponível online.

A série Ensinamentos dos Presidentes da Igreja teve seu primeiro volume publicado em 1998.

Conferência Geral poderá ter discursos em outros idiomas que não o inglês

Voto de apoio durante a Conferência geral. Imagem: Deseret News.

Voto de apoio durante a Conferência geral. Imagem: Deseret News.

Na próxima Conferência Geral, que acontecerá no mês de outubro, autoridades gerais cuja língua materna não seja o inglês, poderão escolher discursas em seus próprios idiomas. Na ocasião, segundo o porta-voz da Igreja sud, Dale Jones, legendas em inglês serão exibidas nos telões do Centro de Conferências, em Salt Lake City.

Além dos membros do Quórum dos Setenta que são falantes nativos de outras línguas  – incluindo os brasileiros Cláudio Costa, Carlos Godoy, e Marcos Aidukaitis – , há também o élder Dieter F. Uchtdorf, membro da primeira presidência, falante nativo do alemão.

A notícia foi publicada hoje pelo jornal Salt Lake Tribune.

Revelação de 1880

woodruffTrechos da revelação recebida por Wilford Woodruff, em 26 de janeiro de 1880, perto das Montanhas Sunset, no Arizona, conforme registrada em seu diário.

Wooduff era à época membro do Quórum do Doze. Sete anos mais tarde, com a morte de John Taylor, ele viria a assumir a liderança da hierarquia mórmon, sendo escolhido como Presidente da Igreja em 1889.

*

 Assim diz o Senhor a meu servo, Wilford Woodruff, escutei tua oração e responderei à tua petição. Farei conhecida a ti minha vontade sobre as nações que sobrecarregam a terra de promissão e também sobre Sião e seus habitantes.

Eu já revelei minha vontade sobre esta nação pela boca de meu servo Joseph, que selou seu testemunho com seu próprio sangue, testemunho que está em vigor sobre todo o mundo desde a hora da sua morte. Continuar lendo

Autonomia da Sociedade de Socorro – parte 2

eliza2Toda mulher que houvesse recebido sua investidura no templo estaria qualificada para dar bênçãos por imposição de mãos a uma pessoa enferma. Essa foi a afirmação de Eliza R. Snow, quando presidente da Sociedade de Socorro. O trecho abaixo é de uma seção de perguntas e respostas no jornal The Woman’s Exponent ( O Expoente da Mulher), de 15 de setembro de 1884 (página 61).

 

“É necessário as irmãs serem designadas para oficiar nas sagradas ordenanças de lavar, ungir e impor as mãos ao administrar aos doentes?”

Certamente não. Toda e qualquer irmã que honra sua santa investidura não apenas tem o direito, mas deveria sentir como um dever, sempre que chamada para administrar a nossas irmãs nessas ordenanças que Deus graciosamente confiou às Suas filhas, assim como aos Seus filhos; e testificamos que quando administradas e recebidas em fé e humildade são acompanhadas de grande poder.

Na medida em que Deus, nosso Pai, essas sagradas ordenanças e as confiou aos Seus Santos, não é apenas nosso privilégio mas nosso dever imperioso aplicá-las para o alívio do sofrimento humano. Achamos que podemos seguramente dizer que milhares podem testificar que Deus sancionou a administração dessas ordenanças por nossas irmãs com a manifestação de Sua presença curadora.

A prática de mulheres mórmons imporem as mãos sobre enfermos surgiu com a própria formação da Sociedade de Socorro, antes do desenvolvimento da investidura, e foi defendida publicamente por Joseph Smith.

Igreja pesquisa opinião dos membros sobre apostasia e ordenação feminina

LDSSURVEY2 (1)

Imagem: mormonstories.org

Durante o mês de agosto, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias realizou uma pesquisa de opinião sobre a ordenação de mulheres ao sacerdócio, entre outros temas. A pesquisa foi enviada por e-mail a mil membros ativos, nos EUA, de ambos os sexos, escolhidos aleatoriamente, de acordo com a afirmação de Dale Jones, porta-voz da Igreja. Várias perguntas fazem alusão aos processos disciplinares iniciados em junho passado e à posterior excomunhão de Kate Kelly, ainda que seu nome não seja citado.

Algumas perguntas da pesquisa:

» Conforme seu entendimento, qual a definição da igreja de “apostasia”? Continuar lendo

Sensibilidade, Ego e Verdade

"Vaidade", de Auguste Toulmouche.

“Vaidade”, de Auguste Toulmouche.

Texto de Graciela Bravo

Se passássemos a enxergar as coisas que passam despercebidas todos os dias, eu acreditaria na possível e esperada mudança. Mudança para sentimentos melhores, de forma bem ampla e eficaz, sem que pequenos gestos e ações tornem-se mecânicos e vazios. Sensibilidade deveria ser a palavra chave em nossas vidas. É aquilo que, muitas vezes, nos falta, é um dos caminhos mais curtos para o amor. Para mim, a companhia do Espírito está fortemente interligada à esse sentimento. Além disso, um pinguinho de noção faz muito bem a quem tem e aos que estão ao redor. Não acho que seja algo simples de desenvolver, e acrescento que minha intenção não é julgar ninguém, embora, às vezes, até pareça. A questão, tampouco, é julgar devida ou indevidamente. Cada um deveria cuidar de suas vidas e preocuparem-se em dar exemplo por meio de suas ações. Eu também luto contra isso e pela minha experiência, particularmente, sei que não é fácil. Acho que agora consigo entender as palavras de Hugh Nibley sobre o sacerdócio com maior clareza. Continuar lendo

Mórmon, Médico, Metrossexual e Candidato

Imagem: IG

Imagem: IG

Nos 101 anos da presença de pessoas ligadas ao mormonismo no Brasil*, dois membros da Igreja ocuparam a Câmara Federal: Moroni Bing Torgan, pelo Ceará, e Romanna Remor, representando Santa Catarina. Neste ano, além do setenta de área, concorrerá a uma vaga em Brasília o não menos mórmon Roberto Miguel Rey Junior – O Dr. Rey.

Robert Rey era pouco conhecido no Brasil quando foi entrevistado pelo Jô Soares, em 2004, para falar do sucesso de seu programa televisivo que havia estreado naquele ano. Meu tio me ligou naquela noite, perguntando-me se eu estava assistindo ao talk show. Por coincidência, eu realmente tinha visto a chamada da entrevista, mas o sono me havia vencido. Quando fui informado que aquele rapaz era mórmon, a letargia se foi, e passei a prestar atenção à entrevista.

Naquela altura do programa, já havia sido comentada sua história mórmon. Apenas pude entender que ele era um cirurgião plástico brasileiro que morava nos EUA e que fazia uma oração antes das cirurgias. Dias depois, vi alguns membros da Igreja comentarem positivamente sobre o cirurgião. Continuar lendo

Arcanjos

William_W._PhelpsAprenderemos aos poucos que estávamos com Deus em outro mundo, antes da fundação do mundo, e tínhamos nosso arbítrio; que viemos ao mundo e temos nosso arbítrio, para que nos preparemos para um reino de glória; tornemo-nos arcanjos, mesmo filhos de Deus, onde o homem não é sem a mulher nem a mulher sem o homem, no Senhor. Uma consumação de glória e felicidade e perfeição para ser tão desejada que eu não perderia por dez mundos.

- William W. Phelps. Messenger and advocate 1:30, 09

John Taylor: expandir nossa educação

jt3Deveríamos expandir nossa educação e conhecimento em todas as áreas; cultivar o gosto literário; quem tem talento para literatura e ciência deveria desenvolvê-lo e todos deveriam desenvolver os dons que Deus lhes deu. (…) Se houver qualquer coisa boa e louvável na religião, moral, ciência ou qualquer coisa arquitetada para elevar e enobrecer o homem, nós a procuraremos. Queremos empenhar-nos ao máximo em obter conhecimento; o conhecimento que emana de Deus.

- John Taylor. The Gospel Kingdom, G. Homer Durham (org.), 1943, p. 277

Kate Kelly apela da decisão

Kate Kelly (de amarelo), solicitando admissão à Sessão Geral do sacerdócio, outubro de 2013.

Kate Kelly (de amarelo), solicitando admissão à Sessão Geral do sacerdócio, outubro de 2013.

Excomungada no último dia 23 de junho, Kate Kelly apelou da decisão ao seu presidente de estaca, pedindo a anulação da decisão tomada pelo bispado de sua ala anterior. O marido de Kate Kelly, Neil Ransom, também escreveu uma carta à presidência de estaca, apontando para o fato de que, mesmo sendo um apoiador do movimento Ordain Women, ele não sofreu nenhuma ação disciplinar, o que demonstraria o tratamento desigual dado a homens e mulheres na Igreja sud. Além disso, foram entregues mais de mil cartas escritas em apoio a Kate Kelly.

Cinco dias após a excomunhão de Kelly, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze lançaram uma declaração definindo o que é apostasia e reafirmando que “somente homens são ordenados para servir em ofícios do sacerdócio”.

Autonomia da Sociedade de Socorro – parte 1

elizaDe acordo com Eliza R. Snow, as mulheres da Sociedade de Socorro não deveriam buscar aos bispos para aconselhamento, mas usar a estrutura da Sociedade feminina para resolver seus problemas. O trecho abaixo é de uma seção de perguntas e respostas, pela então presidente da Sociedade de Socorro, no jornal The Woman’s Exponent ( O Expoente da Mulher), de 15 de setembro de 1884.

‘Devem os membros da Sociedade de Socorro buscar o Bispo para conselho?’

 

A Sociedade de Socorro foi criada para ser uma organização autogovernada: para aliviar os Bispos, bem como aliviar os pobres, para lidar com seus membros, corrigir abusos, etc. Se surgirem dificuldades entre os membros de um ramo que não podem resolver entre si próprios, auxiliados pelas professoras, em vez de incomodar o Bispo, o assunto deve ser encaminhado para a presidente e suas conselheiras. Se o conselho de ramo não puder decidir de forma satisfatória, o recurso para o conselho da estaca seria o próximo passo; se isso falhar para resolver a questão, o próximo passo a traria [o problema] perante o conselho geral, a partir do qual o único recurso é o Sacerdócio; mas, se possível, devemos aliviar os Bispos em vez de aumentar suas inúmeras tarefas.

Conselho de ramo, conselho de estaca e conselho geral eram instâncias da Sociedade de Socorro.