mormonsandgays.org

mormonsandgays_634x519Ao conjunto de sítios na Internet fornecidos pela Igreja pode-se adicionar mais um: mormonsandgays.org. A Igreja lançou esse novo sítio hoje e a mídia notou nele uma nova atitude para com os gays—algo antes pouco visto entre membros da Igreja. Segundo o sítio, a política da Igreja reconhece que o homossexualismo não é uma escolha:

A experiência de atração pelo mesmo sexo é uma realidade complexa para muitas pessoas. A atração em si não é um pecado, mas agir sobre ele é. Mesmo que as pessoas não escolhem ter tais atrações, eles escolhem como responder a elas. Com amor e compreensão, a Igreja alcança todos os filhos de Deus, incluindo nossos irmãos gays e lésbicas.

Notícias sobre o sítio já apareceram em CNN, San Francisco Chronicle, e o Daily Mail, junto com os principais jornais de Utah. E todos reconheceram uma mudança na posição da Igreja, alguns chamando-a de uma evolução.

Infelizmente, o sítio está escrito apenas em inglês.

Leia também Mórmons Que Amam Os Gays e BYU: Campanha Vai Melhorar
About these ads

95 comentários sobre “mormonsandgays.org

    • Mas como conciliarmos as duas coisas? A “doutrina do Cristo” diz que o ‘homem que se deita com homem não herdarão o Reino dos Deuses’. Onde ficamos?

      Apóstolo TDS

      • apostolotds, como o texto mesmo diz:
        “A atração em si não é um pecado, mas agir sobre ele é. Mesmo que as pessoas não escolhem ter tais atrações, eles escolhem como responder a elas.”

    • Sítio não é palavra aceitável para um endereço no WWW?

      Tive a idéia de que a palavra “site” era importada de inglês, e que sítio também era aceitável.

  1. A meu ver, Waldey, é exatamente isto que o mormonismo prega, que a “atração” deve ser tratada e consequentemente eliminada, mas que não é qualificada como “pecado” impeditivo de “[herdar] o Reino dos Deuses”, como citou; mas a prática de “homem que se deita com homem” é pecado passível de não “[herdar] o Reino dos Deuses”!

  2. A postura geral da igreja sempre foi tolerar o homossexual desde que este controlasse seus impulsos sexuais e aderisse estritamente à lei da castidade, mas nunca houve um reconhecimento explícito de que a homossexualidade NÃO é uma questão de escolha – como deixa claro o discurso de Packer que provocou a ira de militantes gays nos EUA. Já é algum avanço.

    • Leonel, acho que o que precisa ser observado é que usar o termo “tolerância” PODE conotar um ar de “Ok, eu te tolero. Permito que você frequente a MINHA capela, sente no mesmo banco que EU, mas ó, você lá e eu cá, ok?”. A palavra em voga deve ser o de aceitar – talvez. Tolerar tem todo um estigma, uma carga semântica por trás que vai mais para o campo do pejorativo do que para o beneficio de uma questão. Como diz no vídeo do “It gets better – BYU” e em outros artigos pela internet, várias mudanças têm sido feitas desde 2003 para se entender melhor a questão. Não somos a Igreja de Cristo, com a prerrogativa de perguntar diretamente ao Pai e receber a resposta, como que por revelação? Pois bem, então, por que ainda não O questionaram sobre isso? Mas, e se já O questionaram e a resposta foi: Busque! Já se tem toda a resposta aí! Nós temos 1 Universidade (com certo conceito e méritos – os byuianos que me perdoem a jogada), montem 1 equipe de profissionais que tratará do assunto e depois ponderem.

      Não sei disso, de fato, mas a questão é que em sendo a Igreja de Cristo, não ter 1 resposta para isso é lamentável, já em 2012. Chega a ser um desdém de nossa parte não termos determinadas respostas. Mas até que concordo com o final do seu post: Parece-me um avanço!

      “Há poder no conhecimento” – Avante!

  3. Gostaria de saber onde ocorreu uma mudança na visão do evangelho a respeito da questão.

    • No meu ver, a mudança é que antes muitos líderes da Igreja diziam que ser gay era escolha. Mas agora acho que a Igreja está dizendo que muitas vezes não é escolha.

      Sei lá se o que os líderes diziam era a posição da Igreja ou não.

  4. Achei interessante a parte do site que diz:

    “Este site oficial não oferece uma explicação detalhada de tudo relacionado à atração pelo mesmo sexo, mas não refletem os sentimentos dos líderes da Igreja a respeito de como devemos tratar o outro como parte da família humana.”

    Acho que os membros ainda são muito despreparados em tratar com um membro que ama alguém do mesmo sexo. Tratam-nos diferente, sendo que devem ser tratados normalmente, como qualquer pessoa.

    • “Acho que os membros ainda são muito despreparados em tratar com um membro que ama alguém do mesmo sexo.”

      Tem razão.

      Acho que muitas vezes a mal preparação dos membros é o que impede a mudança para ficar mais como o corpo de Cristo.

  5. Como diriam alguns: Nesse mato tem cachorro!!! Essa é só a ponta do Iceberg que a Igreja em breve descobrirá (tirará da obscuridade ou das profundezas! Como queiram). Não sei se avanço, mas o que penso sobre isso é que, quando Joseph precisava dos ‘ítens necessários’ para a construção do Templo: simbologias, aplicações, significados, formatos, etc. o Senhor disse a ele que buscasse aqui mesmo, pois já estavam! Bem, há estudos demais e tecnologia, pesquisas, que garantam à Igreja uma afirmação, ou passos a essa, que seja menos prejudicial até de fato nos depararmos com algo mais útil e produtivo para todos. Há muitas coisas que se ponderar sobre esse ‘andar’. 1) Como foi o processo de conferir o Sacerdócio aos ‘negros’? 2) Quantas pessoas saíram da Igreja por conta disso, em especial, por conta da MANEIRA como foi feito (antes e depois da revelação)? 3) Temos de amar todos incondicionalmente. 4) Amar o pecador, mas não o pecado 5) Somos ‘subordinados’ às leis do nosso país, mas e se elas permitem o casamento entre pessoas do mesmo sexo? 6) Discriminação, parece-me, algo marcado desde os primórdios da igreja/religião (de forma geral). Como vencer isso? Como entender que os descendentes de Caim e Lamã receberam marcas mas NÃO para discriminá-los? 7) Em 1978, e até recentemente com outras mudanças, de ordenanças, etc, a Igreja não tinha seus membros conectados a microblogs, a redes sociais e a uma biblioteca virtual vasta de coisas boas, positivas, contra, negativas, neutras, reflexões, ponderações, pontos de vista, etc. 8) Por que nos EUA e Canadá é ‘assim’, na Europa ‘assim’ e aqui ‘assim’? 9) Antes, um discurso proferido no Marriot Center calava-se com o tempo, hoje, a Internet dá ‘outras vozes’ a ele (Bakhtin). Tanto faz que alguns são caçados como leão à sua presa a fim de ser ‘banido, varrido’ dos servidores ao redor do globo. E por aí vai… Somos ou não uma Igreja mundial? É magnífico ver os recursos da pesquisa acadêmica sendo aplicados, mesmo que a conta gotas nas discussões da Igreja. Avante!

    • Ainda espero saber sobre a mudança de pensamento da igreja em relação ao assunto, pois, sem isso, essas “conspirações” não tem nenhum sentido, mesmo porque, nem se compara a questão do sacerdócio aos negros e a questão aqui discutida, pois, se não em engano, eles sempre foram aceitos como membros, nunca foi negado o direto da salvação, sempre foi dito que eles receberiam o sacerdócio, apenas não havia chegado a hora. Não vejo nenhuma relação entre as duas coisas, na verdade, se um dia fosse permitido, seria uma atestado de falsidade que a igreja estaria emitindo em relação a sua alegação de evangelho restaurado.

      • Pedro, creio que houve líderes da Igreja que pregavam que os negros jamais receberiam o sacerdócio. Por isso, vejo uma semelhança entre a questão do sacerdócio aos negros e a questão de como lidar com pessoas homossexuais.

      • Kent, é bem diferente, jamais receberiam aqui na terra, mas se fossem fieis receberiam as bençãos do sacerdócio algum dia. Ainda não vejo semelhança nos casos, a não ser que compararemos a questão do sacerdócio com qualquer outro tipo de pecado, acho sem sentido, a não ser quando tentam polemizar porque está cada vez mais na “moda” mostrar para todo mundo que fulano ou sicrano é gay.

      • E outra coisa, gostaria de ver citações da posição da igreja que muitos dizem aqui que foi mudada, ou seja, quem disse que as pessoas escolhem serem influenciadas pelo pecado, se ele o homossexualismo, prostituição, etc. etc. etc? Não digo que em todos os casos as pessoas não buscam tais sentimentos e inclinações, mas, em muitos casos sim, as pessoas não escolhem ter tais atrações.

      • Pedro, você leu o novo site da Igreja, motivo do post? Lá está escrito… ENTÃO você pode comparar com o famoso discurso do Elder Packer de anos atrás. Além, claro, de outros materiais bem disponíveis fazendo buscas simples no ‘google’. Feito?

      • Pedro, desculpe-me se pareceu ofensivo ou uma tentativa minha de não querer responder. Aliás, pelo contrário, ao dizer que tem a posição no site, é porque a resposta está lá mesmo! Sobre a questão do sacerdócio há (obrigado Kent) e não há comparação (mas não foi pela primeira que comecei os questionamentos). Meu ponto de observação foi que: houve 1 grande mudança para os membros com a liberação para que recebessem o sacerdócio. Havia (e ainda há, demais) conservadores dentro da Igreja e uma leva significativa saiu dela por conta dessa ‘abertura’. Então, pense agora (é apeeeeenas uma hipótese, ok?) se o casamento para os gays for liberado? Imagina como essa notícia chegaria para muitos? Ainda mais sendo feita da noite para o dia como foi?
        Só uma experiência da missão para elucidar o preconceito que AINDA vivemos, quer seja dos gregos como dos troianos!
        Recebi, determinada altura da missão, um novo companheiro americano. Para que começássemos a nos compreender, sermos amigos, etc, mostramos nossas fotos um para o outro e falamos quem era quem em nossas famílias. Uma coisa observei logo na primeira conversa: nas fotos dele, TODAS datadas, havia 1 tio que, já de idade avançada (38-40 anos), morava apenas com cachorros e com diferença pequena de meses eles estava morando em Utah, depois em Nevada, depois em Idaho, depois em Utah de novo, mas outra cidade. Na A Liahona de set/04 saiu uma matéria sobre homossexualismo [p. 20] (e lá ainda há vestígios de como a Igreja lidava com isso – como alguém já citou por aqui, tratamento de choque, bla bla bla). Por conta dessa revista eu e meu companheiro, indo para um almoço, começamos a conversar sobre alguns problemas de missionários com pesquisadores homossexuais e que os membros no Brasil não estavam preparados para tal aceitação, etc. Meu companheiro resolveu contar então a história de seu tio. Falou-me que era homossexual, assumido, mas que vivia infeliz porém digno aos olhos da “Igreja”, mas que o preconceito de alguns líderes (locais) e membros forçava-o a se mudar de cidade ou estado para não sofrer o preconceito. Estávamos (eu, meu companheiro e a outra dupla de missionários da ala) nesse almoço e para nossa surpresa nosso LD, negro, começou a se pronunciar sobre a revista e uma de suas falas está registrada em meu diário. Ele disse: Surpreendo-me com a imbecilidade dos editores e líderes gerais da Igreja, que cuidam das revistas, ao permitirem que tal absurdo seja publicado. Como vou dar essa A Liahona para nossos pesquisadores? O que eles vão pensar? Que a Igreja verdadeira aceita gays, bandidos e vagabundos, agora? (pode-se fazer as várias conjecturas sobre essa fala, não?)
        Essa é só uma fagulha do que na real acontece.
        Ah! Sim. Há vários discursos das Autoridades Gerais, feitas fora das Conferências que acompanham o Mormon Doctrine de 1 conhecido, com datas e local. Num deles, explicando suas observação sobre o sacerdócio para os negros, Bruce diz que “na opinião dele, os negros não receberiam o sacerdócio NEM no mundo dos espírito NEM depois dele” Talvez o ponto de observação deve ser o PRECONCEITO e não o PECADO. Feito? Espero ter ajudado.

      • Aron, pode ficar tranquilo, não considerei ofensivo, apenas sem resposta, respeito.
        Sobre o site, me desculpe, mas, não vi a resposta lá, mas tudo bem.

        Sobre o sacerdócio e os gays, como eu disse, não tem como comparar, como eu já expliquei, a não ser que possamos comparar qualquer pecado com a o sacerdócio aos negros, que é no mínimo sem sentido, como eu também já mencionei.
        Sobre a hipótese, ao contrário da questão dos negros ou do evangelho aos gentios, seria um atestado de falsidade que a igreja estaria emitindo, não preciso nem explicar os motivos, creio que todo mundo conhece as colunas da doutrina mormon. Imagina como
        Me desculpe, mas a questão não tem nada a ver com preconceito, mas, com conceitos.

        Sobre o sacerdócio, conheço as citações e a posição da igreja de que os negros receberiam, então, mesmo que haja pensamentos que não receberiam, existia o contrário, sendo assim, não tem como comparar com a questão dos gays.

        Mas, de qualquer maneira, vc poderia colocar aqui tais citações? Obrigado.

  6. Avanço? (quer dizer “Deus” avançou?) Mudando de opnião? Outra pergunta! Nós membros não queremos saber de opniões nem ser liderados por homens, e filosofias, queremos saber as REVELAÇÕES! E onde elas estão? Por acaso, o profeta não consegue dizer -“Assim, diz o SENHOR sobre tal assunto?…” É realmente os tempos mudaram muito e os profetas também…

    • Eu não diria que Deus avançou. Mas diria sim que talvez a Igreja avançou para ficar mais perto da vontade de Deus. Mesmo acreditando que a Igreja é a única Igreja verdadeira, temos que admitir que a Igreja está limitada pela gente que a compõe (tanto líderes como membros).

    • Não, Hareanon, óbvio que Deus não avançou! Os líderes da Igreja dEle, sim, avançaram! Antes não tinham (dizem, né?) posição alguma, agora já sabem que não é uma ‘escolha’. Como diz o vídeo que já postei o link, alguém escolheria viver à margem da sociedade? Ou, em termos mormonescos, viver sendo chicoteado e pisoteado em palavras e ações por seus semelhantes? Feito?

      • Muitos escolhem sim ter tais sentimentos, inclinações e práticas, creio ser bem complexo, mas, considero que muitos confundem os sentimentos e acabam achando que são algo que nunca foram, coisas bem psicológicas, não digo em todos os casos, mas, em muitos a influência é fundamental.

      • Escolhem ser gays, e como consequência vivem a margem da sociedade. Na verdade, creio que esses ficam escondendo e vivendo e colocando na cabeça que o que importa é o amor, e assim vivem relacionamentos com ambos os sexos.

  7. Um homem ou mulher homossexual, desde que guarde a lei da castidade como todos os outros membros (casados e solteiros) da Igreja, nunca deixou de estar apto a ter uma recomendação ao Templo, que é o mais alto símbolo de aceitação da situação de membro dentro de nossa religião. Esse site é, a meu ver, somente mais uma iniciativa da Igreja (ou de grupos dentro dela) para tornar-se um pouco mais mainstream. A posição da Igreja não mudou, a meu ver, e nem pode mudar, em relação ao casamento entre um homem e uma mulher ser o fundamento da exaltação (como diz o Elder Christofferson em seu vídeo no site).

    Em relação ao comentário do Aron : Não entendi o que você quis dizer com “(…) por que ainda não (…) questionaram (o Pai Celestial) sobre isso?”.O quê exatamente, em sua opinião, precisa de uma resposta que nós já não tenhamos ? As escrituras são bem claras. A lei da castidade deve ser obedecida por todos, hetero e homossexuais. Há até um discurso interessante do Elder Oaks sobre atração pelo mesmo sexo. Ele separa bem a atração da ação de se quebrar a lei da castidade, mais ou menos como ocorre com os heterossexuais : o fato de você sentir atração por outra mulher (quando solteiro) não é fator de exclusão de sua condição de membro da Igreja, e sim uma consequência da queda, contra a qual você deve lutar. O mesmo deve se aplicar a quem é homossexual.

    • Não entendi o final do comentário. Só sente atração por mulher quando se é solteiro? Atração sexual é devido a queda?
      Sexo é vida, pulsão, instinto e necessidade fisiolágica. Aceito e implantado no paraíso quando se ordenou a Adão que multiplicasse e enchesse a terra. Não existe, pelo que saiba, seres humanos assexuados. Suas expressões sexuais podem se expandir dos limites por nós tidas como normais, contudo ele é sexual. Libera e conhece seus desejos nos primeiros anos de vida e os incorpora na sua adolescência.

      • Eu explico :
        – O desejo sexual veio ao mundo após a queda (Adão e Eva estavam nus e não o perceberam, até que comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, certo ?)
        – Eu usei COMO EXEMPLO a atração que um homem solteiro sente por uma mulher, contra a qual deve lutar para não quebrar a lei da castidade (O próprio Senhor disse que aquele que olha para uma mulher para cobiçá-la JÁ COMETE adultério com ela)
        – Paulo ensinou que a fornicação (ato sexual ilícito) é obra da carne. As influências da carne nos vêm através da Queda. Logo, por causa da Queda, há fornicação (um ato que começa no pensamento ilítico, de acordo com o Senhor).

        O Senhor também ensinou que se seus olhos lhe escandalizarem, você deve arrancá-los (talvez um ensinamento um pouco severo para alguns). Isso não sugere que devemos lutar contra impulsos sexuais ilícitos ?

      • Márcio,

        há diversas camadas de significado no relato da Queda e a doutrina mórmon ao retratá-la no templo reforça ainda mais isso e se distancia de leituras literalistas (criação em sete dias, Eva tirada da costela, etc.).Seja como for que interpretemos a nudez no Jardim, lembremos que os dois passaram por um “véu de esquecimento”.

        Ainda, a existência de um par primordial de Pai e Mãe celestiais e a geração de espíritos (e não uma criação) aponta para a ideia da sexualidade como poder divino herdado por nós. Não sei como alguém poderia subtrair a atração sexual de tal herança.

        Eu adoro um Deus dotado de sexualidade, um “poder de Deus dado ao homem [e à mulher] para agir em seu nome”.

      • Então a sexualidade é um poder de Deus dado ao homem para agir em seu nome. Concordo. Só acho perigoso afirmar que não devemos controlar esse poder. Lembrando que para controlar algo muitas vezes é necessário lutar contra esse “algo”. Daí meu argumento de se lutar contra os “desejos da carne” e não entregar-se a eles, ou às concupiscências da carne, como também são conhecidos. As escrituras mostram que esse é o conselho de Deus.

        Em relação ao desejo sexual antes da Queda, eu acho melhor eu não me alongar no argumento pois, francamente, não tenho referências que mostrem que havia ou não tal atração e, mesmo que houvesse, para mim não faria diferença em relação ao mandamento de se guardar a lei da castidade. Vou estudar mais e reconheço aqui que talvez eu tenha, ignaramente, compartilhado crença pessoal, algo que, assumo, não deveria ter feito.

        Ainda assim, prefiro seguir o padrão estabelecido pelo Senhor nas escrituras supracitadas : os homens sentir-se-ão atraídos sexualmente por uma mulher (ou homem) e, a menos que estejam sob o convênio do casamento, não devem sucumbir à tentação. Isso serve para um heterossexual ou homossexual; a lei é universal.

      • Márcio,

        concordo com o exercício próprio de controle sobre a sexualidade. Só acho necessário que não se perpetue no mormonismo a percepção criada há séculos da sexualidade como um mal. A ideia de que a atração sexual surge após a Queda pareceu apontar nessa direção.

        Abraço!

    • Gostei de tudo que vc disse irmão. Temos coisas que realmente são importantes pra fazer, que cumprir os mandamentos e perserverar até o fim para alcançar-mos a vida eterna.

    • “…uma consequência da queda, contra a qual você deve lutar. O mesmo deve se aplicar a quem é homossexual.”

      Corrija-me se deduzi errado: Você está dizendo que o sentimento de atração homoafetiva é uma consequência da queda?…

    • Não Marcio, um errinho no seu comentário, ou seja, a situação homossexual não é apenas na castidade como as da maioria hétero, casados ou solteiros, pois, qualquer relação de namoro também é pecado, no caso hétero não é.

      Não se pode comparar os sentimentos naturais e corretos da atração heterossexual com a atração pelo pecado, que pode ser normal devido a queda, não sendo sempre uma escolha, mas pode ser combatida, como qualquer outro pecado.

  8. Põe avanço nisso! O tratamento nos EUA nas clínicas de terapêutoas SUD era no eixo comportamental, ou seja, acreditava-se que se tratava de uma escolha do indivíduo em ser homossexual. Procuravam reforçar comportamentos masculinos ou femininos pensando que com isso “masculinizasse” ou “feminilizasse” alguém. Hoje em dia os terapêutas no Brasil sob instrução dos serviços familiares SUD usam o encarte de tratamento a dependentes químicos trabalhando a dificuldade do indivíduo como se fosse escolha ou comportamento adquirido e reforçado.
    Na grande maioria dos casos as pessoas são gays, nascem gays e não somente optam por tal comportamento. Tem cura? Não, porque não é doença! Tem tratamento? Não, pelo mesmo motivo! Existe terapia para que a pessoa que opta em viver a lei da castidade consiga lidar com um desejo fisiológico que o impulsinará a procura de um ato sexual com a pessoa do mesmo sexo. Terá que lutar a vida toda contra sua própria vontade. Vontade essa que não é aplacada por jejum, oração, bênção ou colocar-se o nome no templo – é impulso, vida!
    O que vem a ser a homossexualidade então? Talvez uma das maiores provações que um ser mortal e cristão tenha que enfrentar, visto que as escrituras e ensinamentos dos profetas não os permitem terem outra opção.

    • O senhor criou o homem e a mulher e ponto. ninguém nasci homoxexual por vários motivos, optam por isso. As escrituras são claras quanto a isso. Vamos cada um cuidar de nossa salvação. e ponto.

      • Caro Temistocles,

        A própria Igreja está agora declarando (através do site mormonsandgays.org) que o homossexualismo não é uma simples questão de escolha. Isto também está bem colocado no artigo escrito pelo irmão Kent Larsen.

        Um abraço.

      • Pode mudar seu discurso caro Temistocles. Os líderes mudaram de pensamento, pois pensavam igualzinho a você. E cuidar da minha salvação não me impede de comentar a respeito de nossos irmãos gays

      • irmaosud, não entendi, por que o Temistocles tem que mudar o discurso? Quem disse que não é somente escolha? Onde foi revelado que não se trata apenas de escolha? Quem disse que a posição da igreja está correta em dizer que pode ser também uma tendência que não escolhem sentir?

      • O discurso dele tem que mudar em dizer que ninguém nasce homossexual. Colocar tudo dentro de um pacote é errado também. Acredito que existam casos comportamentais e traumáticos na triangulação pai, mãe e filho. Agora Pedro, pelo que tudo indica a IGREJA está voltando atrás em dizer que era uma escolha somente. Que somente fatores externos era o que definia a sexualidade. O site, os testemunhos nele contidos somente mostram que, em determinadas pessoas parece ser algo inato, uma tendência que não os desqualifica como membros dignos. São pessoas normais com dificuldades em sua sexualidade nos moldes judaico-cristãos e não pessoas anormais como o próprio Presidente Hinckley afirmou uma vez.

Os comentários estão desativados.