O primeiro capítulo do manual Lorenzo Snow e a Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

Parece-me que muita gente não entende por que existe a Conferência Brasileira de Estudos Mórmons. “Mas não é patrocinado pela Igreja” dizem alguns. Outros pensam que a Igreja é contra os acadêmicos e tem medo do estudo sobre a religião, pois “se você aprende demais vai perder seu testemunho,” pensam. E mais outros pensam que o estudo não é importante, dizendo: “Quero viver a minha vida. Para que devo gastar meu tempo estudando. Completei a escolha, não vou voltar.”

No domingo passado ensinei o primeiro capítulo do manual “Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Lorenzo Snow” e nele achei uma resposta: o propósito da vida.

Ao preparar para ensinar, li o capítulo cuidadosamente e senti muito inspirado com o conhecimento de Lorenzo Snow nesse assunto. Para ele, o mormonismo é muito voltado para a aprendizagem. Ele disse:

Neste sistema de religião que nós recebemos há algo de excelente e glorioso, há algo a se aprender todos os dias, e isso é de grande valor. E não só temos esse privilégio, mas temos a necessidade de receber essas coisas e essas novas ideias.

Toda a ideia do mormonismo é voltada para o aprimoramento — intelectual, físico, moral e espiritual. Para os membros da Igreja o aprendizado parcial não basta.

Portanto, no mormonismo, aprender não é só privilégio, mas sim, necessidade. E um apredizado parcial não é suficiente. É claro que não podemos aprender todas as coisas nesta vida, mas aprender só uma parte sem tentar aprender tudo não é bastante. O Presidente Snow também falou sobre isso:

Há pessoas que não aprendem e que não progridem tão rápido quanto poderiam, pois seus olhos e seu coração não estão fixos em Deus; elas não refletem e não têm o conhecimento que poderiam ter. Essas pessoas deixam passar grande parte das coisas que poderiam receber. Temos que obter conhecimento antes de alcançar a felicidade permanente; temos que estar de olhos bem abertos quanto às coisas de Deus.

Mesmo que agora negligenciemos a responsabilidade de fazer bom uso de nosso tempo e afiar nossas faculdades intelectuais, chegará o momento em que teremos de fazê-lo. Temos uma grande distância a percorrer e, se não caminharmos hoje, teremos muito mais a caminhar amanhã.

Neste caso, quando ele fala em “amanhã,” parece que fala do mundo vindouro, depois desta vida. Entendo por isso que o que não aprendermos nesta vida, vai adiar ou demorar nosso progresso na vida futura. Que responsabilidade!

Não vejo nada nisso que seja diferente do que já sabemos através do plano de salvação. Segundo esse plano, nossas vidas eternas (pois todas as nossas vidas são eternas) têm o propósito de aprender—aprender como ser semelhante ao nosso Pai celestial. Como espíritos aprendemos o que podíamos aprender no mundo espiritual. Chegamos aqui na terra para aprender o necessário nesta vida. E depois desta vida, parece-me que teremos ainda muito mais para aprender. Lorenzo Snow tem razão: “Temos que obter conhecimento antes de alcançar a felicidade permanente.”

Tudo bem. Mas como é que a Conferência entra nisso? Uma conferência acadêmica não é nada mais de uma reunião em que algumas pessoas apresentam o que aprenderam dos seus estudos pessoais a outras pessoas. Dentro de cada campo de conhecimento é geralmente aprendizagem avançada, mas ainda assim, é aprendizagem. Como em toda a aprendizagem, pode ter erros. Somos todos humanos, e por isso, somos capazes de errar. Apresentar algo numa conferência acadêmica não quer dizer que está certo. Mas deve querer dizer que levou estudo e trabalho.

Vamos revisar as dúvidas sobre a Conferência que eu tenho ouvido, para ver se, à luz dos ensinamentos do Lorenzo Snow e a prática da Igreja hoje, tem razão:

Não é patrocinado pela Igreja

Sim. Não é. As escrituras falam sobre isso:

“Pois eis que não é conveniente que em todas as coisas eu mande; pois o que é compelido em todas as coisas é servo indolente e não sábio; portanto não recebe recompensa.

Em verdade eu digo: Os homens devem ocupar-se zelosamente numa boa causa e fazer muitas coisas de sua livre e espontânea vontade e realizar muita retidão.

Pois neles está o poder e nisso são seus próprios árbitros. E se os homens fizerem o bem, de modo algum perderão sua recompensa.” (D&C 58:26–28.)

Se o Senhor manda que aprendamos, por esta escritura parece que devemos aprender de nossa “livre e espontânea vontade.” Tal aprendizagem não vai incluir uma conferência acadêmica?

A Igreja já tem muita experiência com essas conferências acadêmicas. Creio que a primeira delas foi a da Mormon History Association (Associação de História Mórmon), que realizou sua primeira conferência em 1965. Na minha experiência, os historiadores empregados pela Igreja costumam assistir a conferência e as vezes até autoridades gerais da Igreja assistam. (No próximo sábado, a propósito, teremos uma apresentação do historiador Reid Neilson, gerente do Departamento de História da Igreja.)

Se for necessário o patrocínio da Igreja, acha que uma autoridade geral ia assistir?

Se você aprende demais vai perder seu testemunho

Pode ser. Pode ser também que se você não aprender bastante vai perder seu testemunho. Ou até que se você não aprender demais vai perder seu testemunho. Acho essa uma falácia. Testemunho não depende de conhecimento, depende de fé.

Quando enfrentamos informação que parece indicar que a nossa fé está baseada em algo falso, podemos reagir de várias maneiras. Podemos pensar que por causa dessa informação nossa fé está falsa, ou nossa fé está falsa em parte. Podemos também modificar a nossa fé para aceitar essa informação. Ou podemos esperar para ver se mais informação esclarecedora aparecerá no futuro. Ou podemos até rejeitar a informação como inválida. Nenhuma dessas reações está sempre correta. Se a nossa fé está em algo falso, temos que rejeitar aquela parte de nossa fé! Ou temos que modificar nossa fé para que possamos aceitar a informação verdadeira. Se a informação é falsa, temos que rejeitá-la. E, se não sabemos se a informação é falsa ou não, muitas vezes é melhor esperar mais informação — e nesse caso, a falta de informação é a prova de nossa fé.

Temos que lembrar que parte do propósito da vida é aprender como ter fé. Fé não existe quando temos conhecimento completo. Portanto, se nós não podemos duvidar—se o conhecimento é perfeito—não podemos aprender. A falta de conhecimento é uma condição da vida. Não podemos provar ou refutar a veracidade do Livro de Mórmon, pois uma prova dá conhecimento perfeito, e daí não teremos fé nele. Não podemos provar que o Cristo é o filho de Deus, pois é necessário ter fé nele. A possibilidade de dúvida é necessário.

E por isso, todos nós podemos perder os nossos testemunhos. A diferença entre acreditar e não fica sempre em nosso poder. Como sempre há uma maneira de não acreditar, sempre há também uma maneira de crer. O conhecimento, a aprendizagem, sim, podem abalar a fé, podem nos conduzir a não crer mais. A vida pode fazer a mesma coisa. Mas tudo o que pode abalar a fé pode também fortalecer a fé. Pois a fé é uma escolha.

Quero viver a minha vida

Eu também quero viver a minha vida. Mas, no meu ver, a vida é aprender. Como eu escrevi acima, o propósito da vida é aprender. “Viver a vida só” é ficar atrazado, como disse o Lorenzo Snow:

Mesmo que agora negligenciemos a responsabilidade de fazer bom uso de nosso tempo e afiar nossas faculdades intelectuais, chegará o momento em que teremos de fazê-lo. Temos uma grande distância a percorrer e, se não caminharmos hoje, teremos muito mais a caminhar amanhã.

Agora, reconheço que há muitas maneiras de aprender. O próprio Snow indicou que o aprimoramento nesta vida deve incluir aprendizagem “intelectual, físico, moral e espiritual.” Quando ensinei esse capítulo no domingo, um homem lá, membro do sumo conselho da estaca, indicou que ele está aprendendo jiu-jitsu, e concordei com ele que essa também é uma aprendizagem útil e importante.

Não digo que essa conferência de estudos mórmons é tão importante que todos os membros da Igreja devam comparecer. Mas acho ela importante como uma maneira de aperfeiçoar nosso conhecimento de nós mesmos e da nossa Igreja, nossa organização. Tenho certeza de que quem comparece na Conferência vai aprender, e vai nos ajudar a melhorar e aumentar o conhecimento disponível sobre o mormonismo e seus membros no Brasil.

Espero que todos que tenham o mínimo de interesse comparecer lá. Pelo menos devem saber agora que não tem razão para pensar que é algo contra a Igreja.

Leia aqui a programação da IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons.

About these ads

2 comentários sobre “O primeiro capítulo do manual Lorenzo Snow e a Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

  1. Excelente, Kent.

    “O conhecimento, a aprendizagem, sim, podem abalar a fé, podem nos conduzir a não crer mais. A vida pode fazer a mesma coisa. Mas tudo o que pode abalar a fé pode também fortalecer a fé. Pois a fé é uma escolha”. Concordo contigo.

    O conhecimento ou a busca pelo conhecimento certamente nos ajudam em nosso processo de procurar nos tornarmos semelhantes a Deus, nosso Pai Celestial.

    Infelizmente não vou poder estar presente fisicamente nesta IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons. Quem bom que ela será transmitida ao vivo por aqui.

    Obrigado pela bela reflexão.

  2. interessante,gostei muito desse blog descobri por acaso e vou divulgar. Sou sud há mais de 14 anos,o presidente Brigham Young falou:Quero dizer a meus amigos que cremos em tudo o que é bom.Se puderem encontrar uma verdade nos céus, na terra ou no inferno,ela pertence a nossa doutina.( manual Ensinamentos dos presidentes da igreja BRIGHAM YOUNG Pg 16 )

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s