É a Igreja um mal necessário?

Church-pews

 

Texto de Gerson Sena

Não sou e nem me sinto um especialista na área de humanas e comportamento, embora minha vivência como mórmon praticante tenha me dado aval para ter experiências que refinaram minha capacidade de observação sobre mim e as pessoas que me cercam – em especial as pessoas de nossa própria fé.

Minha busca por descobrir quem realmente sou e o quanto desse ‘ser’ tem haver comigo e o quanto foi imposto pelo meio (ideias e comportamentos) tem sido meu desafio já desde algum tempo. Nesse processo minha empatia emocional e espiritual tem crescido, e posso hoje sentir isso.

Assim, prefacio meu primeiro post nessa comunidade. Sem contanto desejar dar a impressão de que tenho eu algum desejo ‘oculto nas entrelinhas’ diferente do que tentarei aqui escrever no decorrer dessa aventura de postar opiniões e ouvir as dos demais. Na realidade, sinto-me como Néfi, que sabia ser muito bom no sentido oral da palavra (no meu caso, penso melhor do que falo ou escrevo), mas sentia o peso de sua inabilidade em escrever.

O título? Sim, tem o propósito de chamar a atenção mesmo. Mas não se atenha apenas a ele.

Permitam-me iniciar por uma parábola, dessas que se ouvem, mas nunca se sabe de onde saiu… Eu ouvi isso há muito tempo…

Conta-se de certo homem, que inquieto com a vida ‘morna’ da congregação dos santos resolveu sair procurar satanás pra lhe dizer umas ‘boas verdades’. Foi a cabarés, bares, boates, rodas de bebedeira, procurou nas penitenciárias; até em hospitais, escolas e cemitérios se aventurou. Para sua surpresa, não encontrou o sujeito. No domingo seguinte foi à reunião da igreja, como de costume. Cumprimentou os irmãos logo na entrada, e depois de algum tempo notou um senhor bem-vestido que desconhecia. Aproximou-se para puxar conversa e logo ouviu seu nome seguido da pergunta: “O que queria comigo? Eu sou satanás”.

 

A moral dessa história era simples na época: o maior perigo espiritual está para aqueles que acham que estão bem; e o local de maior oposição é naqueles onde ainda há vítimas potenciais.

Algo que somente na atualidade percebo é o quanto as pessoas acreditam cegamente que por estarem ‘na igreja’ estarão ‘protegidas’ de ações descuidadas ou mesmo mal intencionadas de outros ‘irmãos’… Ao ignorar isso, quando ocorre, o potencial de frustração, decepção e mágoa pode ser fatal (espiritualmente falando) para alguns. Alguns casos, inclusive, sua integridade emocional, psicológica ou espiritual serão violadas por ‘pastores’ ou outras pessoas fortemente influenciadas pelo meio onde foram ‘criadas’. Não se pode negar que dentro de nossas capelas há solo fértil para florescer vários tipos de atitudes e preconceitos terríveis contra as fraquezas dos demais, e o pior, com aval dos ‘portadores do sacerdócio locais’.

Ter ministros leigos pode ser um dos fatores que permite coisas assim. E a própria inserção da cultura exterior (afinal, há tantas manias por ser um converso quanto o de não ter conhecido qualquer outra coisa que ‘mórmons’ a vida toda) dentro das reuniões dos crentes também pode ser motivo. Mas creio que de alguma forma, mais que tudo isso, Deus deve permitir, pois faz parte da oposição necessária, e Ele não fere nosso arbítrio.

Erros pessoais e pecados afastam muitas pessoas da igreja (depois ou antes de conhecerem-na), mas ‘os santos’ afastam pessoas igualmente. É tão fácil dizer que a pessoa perdeu a fé, é apóstata ou iníqua, porque exime de nós nossa responsabilidade pessoal no caso. Como se disséssemos: “A Igreja e seus santos líderes e eu fizemos tudo que podíamos, se se afastou é porque não merece estar aqui” (e coisas do tipo). Isso é meio cultural, mesmo com muitos discursos e lições que enfatizam que deveria ser diferente.

Para exemplificar poderia contar diversas experiências pessoais com tudo isso que afirmei (tanto de um lado da vítima como do algoz), mas lembro especialmente de um caso agora. Eu estava sentado num dos bancos da sacramental, adolescente, poucos meses de batismo, sei lá em que pensando da vida, e certo irmão aproximou-se, parecendo querer conversar. Eu mal o conhecia, mas por tantas vezes o ver bem falante e bem vestido, julgava ele um pouco melhor do que os demais. Suas primeiras palavras, virando-se para trás e me olhando nos olhos foram: “Tu não vai durar muito aqui. Conheço pessoas assim, logo logo tu vai se afastar”. Sequer dei chance dele terminar alguma outra maravilhosa previsão sobre minha vida, e ainda lembro de minha cara de espanto enquanto procurava me afastar dele.

Por essas e outras coisas que vi ou vivi, tomei a decisão, ainda com 15 anos, de não dar atenção a qualquer palavra ‘ociosa ou zombaria’ vinda dos ‘irmãos’, mesmo que eles não estivessem ‘naquele grande e espaçoso edifício’, mas, ao contrário, ao pé da árvore.

Para mim igreja é um grupo de pessoas. A igreja não é o evangelho e tão pouco infalível. E não é por ser um grupo encabeçado por Cristo que não irá fazer coisas que Lhe desagradem (mesmo os poucos discípulos de sua época já demonstravam isso).

Quando missionário alertava meus amigos, tão logo aceitavam o batismo, que iriam encontrar provações e desafios mesmo dentro da igreja, e os exortava a deixar isso de lado e servir o Cristo com quem haviam feito convênio.

Por essas e tantas outras coisa, é que hoje vejo a igreja como ‘um mal necessário’ à salvação daqueles que acreditarem nas doutrinas e alegações ‘mórmons’. Vai ser tão difícil se aperfeiçoar estando afastado do grupo quanto estar alheio a seus problemas. Assim como quando missionário de tempo integral de outrora, eu resolvi ficar e alertar os incautos sobre as mazelas de ser mórmon, de um modo que eles saibam se reestabelecer quando forem atingidos, assim também hoje procuro criar ambientes de aprendizado onde os mais novos na fé aprendam a manter sua fé segura, sabendo de recompor inclusive de nossa própria história (muitas vezes mal contada).

Sobre estes anúncios

34 comentários sobre “É a Igreja um mal necessário?

    • Obrigado pelo comentário Marcel.

      Também lembrei de um discurso de um bispo que tive. Em certa ocasião, ao analisar a dificuldade de algumas pessoas de virem às reuniões por conta de estarem se sentindo abandonadas pelos irmãos ou mesmo tendo sido ‘vítimas de alguma coisa’ da parte de algum deles, ele disse:

      “Todos sabemos com quem fizemos convênios para nossa salvação. Sim, com Cristo, e é por causa Dele e apenas Dele que devemos vir aqui adorar. MAS como seria bom se quando aqui viéssemos também encontrássemos amigos de verdade…”

  1. Muito interessante o texto. De fato compartilho de boa parte do seu pensamento. Algumas vezes me pego pensando e “SE” eu não mais fosse mórmon será que o mundo Cristão é tão melhor em suas controversas e mazelas do que nós ? e como viver fora da “bolha”? é possível para membros que nasceram na igreja?. E a grande pergunta de todas: Existe vida fora do mormonismo ?! (É obvio que sim, no entanto, pelo que observo na maioria dos mórmons essa pergunta permanece nos recônditos da alma de muitos dos nossos).

    • Sim, RIchard…

      Todos os demais grupos, inclusive os não religiosos compartilham de nossos mesmos problemas sociais. Talvez o que nos marca mais é que esse aqui é “nosso grupo”, criamos uma expectativa diferente e mais positiva e em muitas vezes seremos frustrados.

      Talvez a melhor pergunta seria: “O que faço para sobreviver a tudo isso? O que tenho que aprender e onde buscar esse conhecimento?”. E mais ainda: “Enquanto aprendo, posso ajudar outros que passam ou passarão pelo mesmo que eu?”.

      Obrigado por seu comentário.

  2. Estou muito grato pela tua coragem de dizer essas coisas para os recém conversos. Já sou membro a alguns anos e já vi, presenciei muitas situações desagradáveis. Embora não esteja frequentando tal como eu gostaria (não estou de licença psiquiatra no trabalho à toa, estou mesmo com dificuldade de lidar com o mundo exterior a minha casa – embora muitas pessoas não entendam isso – “membro da igreja tem a companhia do espírito e é feliz”, dizem – e se auto-enganam, afinal, ninguém é feliz 100% do dia) me sinto firme em minha fé, em minha identidade como mórmon.
    Eu achei muito interessante você se dizer não ser especialista em ciências humanas, mas levantar algumas questões chaves clássicas da sociologia e antropologia (indivíduo x sociedade; cultura x natureza). Não sei exatamente o porque estou escrevendo agora. Talvez para agradecer. Agradecer por ver que não sou o único que passa por isso. Agradecer por sentir um conforto e júbilo semelhante como senti ontem, indo ao posto de saúde, e vi a dupla de sisters caminhando na rua (me trás uma paz inexplicável; a mesma paz e gratidão que sinto ao ler o Livro de Mórmon ao acordar).

    • Obrigado, Joni Pinto.

      Espero que a leitura ao menos o tenha ajudado a peceber que existe ‘vida mórmon em outros lugares’ também, que em muitas alas e pelo mundo há pessoas realmente preocupadas com a questão humana de nossa fé, que acreditam que pessoas são mais importantes que regras.

      Acredito que se Cristo quisesse dar tanta ênfase a regras teria se filiado aos fariseus ou similares e escrito livros de conduta, mas na realidade, seus atos provam o contrário. Como pode alguém que ‘quebrou o sábado’ (e talvez até o ‘pegar sem pedir’) para alimentar discípulos ser ‘digno’ de expiar pelos pecados de todo o mundo? Mas foi exatamente isso que ele fez (não estou incentivando rebeldia geral com os mandamentos, claro). Creio que Ele, mas que ninguém, sabia do propósito por trás de cada um, e no momento que esse propósito deixa de existir, o mandamento torna-se inválido.

      Espero realmente que a leitura o tenha ajudado. Da minha parte torço para que você consiga suportar bem seu fardo, sem esquecer que há Um Amigo que nunca vai falhar contigo, mesmo quando você acha que Ele não está presente. Abraço.

  3. Boa redação, conceitou bem o fatos, compartilho de seus sentimentos, infelizmente é isto ai, quanto mais tempo de membro assíduo na igreja, mais difícil fica de compreender o comportamento e atitudes de certos membros,pior e que alguns quanto mais tempo tem de igreja menos entendem o propósito dela, quanto mais tempo ocupam cargos de responsabilidades, menos sensibilidade tem para com seus irmãos que passam dificuldades, parece que endentem o cargo como status social e não como oportunidade para servir o próximo e se converter a semelhança de Cristo.

    • Obrigado irmão, por seu comentário.

      Sim, a incensibilidade é algo que permeia a ingratidão. É semelhante aos 10 leprosos… todos foram curados, mas apenas um retornou para agradecer, pois lembrava de quem tinha sido e de seu dever de ser grato Aquele que o curou… com essa atitude, ainda assim vamos errar muito, mas ao menos seremos mais justos e mais ‘pastores’ para aqueles que realmente precisam.

      Isso me faz lembrar de D&C 59:21 (e de outras passagens semelhantes):
      “E em nada ofende o homem a Deus ou contra ninguém está acesa sua ira, a não ser contra os que ‘não confessam sua mão em todas as coisas’ [gratidão] e não obedecem a seus mandamentos.”

  4. Sr Gerson Sena

    Seu texto é simplesmente brilhante,falaste tudo nele,devemos agir assim,buscando a verdade lutando contra a alienação e a hipocrisia.De forma alguma podemos ter medo da verdade,mais sim encara la.Uma bela lição que tenho comigo.DEVEMOS ENFRENTAR O QUE MAIS TEMOS MEDO.Neste caso a própria verdade.

    A verdade oque é joia de valor que é dada ao mortal desejar,procurai no abismo na treva e na luz,nas montanhas o seu claro som e grandeza ireis contemplar.

    • Obrigado, Sr. Pedro Abreu.

      Sua colocação é bem pertinente. Quando estamos cientes de a Quem devemos servir, nossa busca pela verdade não nos abala, mas ilumina ainda mais para não sermos enganados entre o que é de ‘homens’ e o que realmente é de Deus.

  5. Fico contente em ver que não deixou se abalar pelas desavenças da membresia ignorante de nossa igreja, coloco nossa igreja porque apesar de não estar nela o evangelho, é por ela que podemos ter contato com Cristo. Se não fosse a igreja em si, ninguém teria a bíblia como temos, ninguém poderia estudá-la, visto que, é pela defesa da mesma que os bárbaros não puderam destruir o que é mais sagrado, a única verdade que é Cristo.

    Então estou plenamente em acordo com sua visão, infelizmente pessoas esquecem a importância evolutiva espiritual que a igreja faz em nossas vidas, tratam a mesma como uma fonte de sociabilidade religiosa, focando nepotismos e interpretações próprias, ao invés de focar para uma análise profunda para o crescimento de um geral para a verdade.

    Assim como ocorreu com o povo judaizante na época paulina, pessoas estão misturando suas crenças antigas, ou com as do mundo, para com a igreja, assim como Paulo conversa com seu discípulo Timóteo, nesses últimos dias haveriam tempos trabalhosos, pessoas negam seus testemunhos por uma racionalização da fé. Pessoas esquecem a fé e focam a vista, negam as palavras milenares em troca de uma teologia racional e por ser universitária tem mais poder que um testemunho baseado em uma análise interna.

    Por isso fico contente em ver sua visão, não penso como um “mal”, mas sim como o lugar que merecemos, já que Cristo sempre prometeu um reino, quando mereçamos seu reino será quando possamos amar mais a Glória de Deus que a própria e a do homem. Uma bela visão.

    • Obrigado pelo seu comentário, Marlon Farias.

      Gostei particularmente de seu parágrafo: “Então estou plenamente em acordo com sua visão, infelizmente pessoas esquecem a importância evolutiva espiritual que a igreja faz em nossas vidas, tratam a mesma como uma fonte de sociabilidade religiosa, focando nepotismos e interpretações próprias, ao invés de focar para uma análise profunda para o crescimento de um geral para a verdade.”

      É isso mesmo.

  6. Gerson, primeiramente parabéns pelo belo texto e pela bela reflexão!

    Tenho que concordar contigo em tudo. Especialmente há entre os membros sud (e muitas vezes por meio de tradições que são passadas entre líderes e membros) uma tendência em culpabilizar apenas o indivíduo por não permanecer “firme na Igreja”. Por experiências que já vivi ao longo de minha vida como membro e líder na Igreja, percebo que há sim aqueles que “agem como Cristo agiria” e há também aqueles que se desculpam por não servir e amar como Cristo fez. Não quero dizer com isso que eu sou perfeito e amo e sirvo como Cristo, estou longe disso. Mas se tem algo que eu tenho “deixado de lado” há um bom tempo é cair no senso comum de culpar os membros que deixam de frequentar a Igreja. Muitas vezes temos muita culpa nisto sim!

    Na verdade, a própria Igreja enquanto instituição ainda desaponta nos quesitos quanto à transparência de sua própria história. Muitos membros têm abandonado a Igreja, não porque pecaram ou porque tornaram-se apóstatas, mas porque se debatem por longos períodos (meses e anos) com dúvidas suscitadas ao estudarem fontes históricas da própria Igreja. E assim acabam por entrar numa “crise de fé”, numa angústia espiritual, intelectual, cognitiva. Isto poderia ser mudado se a própria Igreja, enquanto instituição, reconhecesse publicamente e perante os membros mundo afora, as “manchas” deste seu passado e esclarecesse sua própria história. O passado não fala por si mesmo.

    Mesmos com todos estes problemas quanto à história e à práticas descontinuadas pela Igreja ao longo de sua história, ainda sim, vejo que ainda é imprescindível servirmos ao nosso próximo, por meio das oportunidades que recebemos na Igreja. Estas são oportunidades de aprendermos a amar e a ajudar aos nossos irmãos em nossas alas e ramos.

    • Me lembrei do irmão Eugene England, um grande líder da Igreja nos EUA e que foi também um proeminente professor universitário por lá. É dele o famoso discurso “Porque a Igreja é tão verdadeira quanto o evangelho”. Neste discurso ele defende amplamente o papel da Igreja enquanto uma instituição formada por pessoas, pelo convívio de pessoas, que talvez em outras circunstâncias nunca conviveriam, e que por meio desta comunidade temos várias oportunidades de aprender a amar, compreender, desenvolver empatia, ajudar e ser ajudado.

      Aqui está o discurso dele: http://materialmormon.blogspot.com.br/2010/05/porque-igreja-e-tao-verdadeira-quanto-o.html
      Excelente!

      • Obrigado, Jamil Jr.

        Em especial em sua parte que diz que a ‘igreja’ (palavra que uso no nosso caso para designar nosso grupo de pessoas de uma ala ou estaca) não tem sido ‘preparada’. Inclusive, completo, para atender satisfatoriamente aos diversos problemas ‘modernos’ à luz das escrituras. Ficamos tão estagnados numa doutrina que sequer compreendemos direito, tomando a prerrogativa de ‘sabermos mais do que outros’ sem sequer nunca termos lido direito os textos sagrados de tal forma que não conseguimos aplicar na prática o Evangelho que com tanto fervor defendemos como ‘plenitude’.

      • Ah, em tempo, Li o material do link…

        É bom saber que outras pessoas já vem pensando e ensinando desse modo há algum tempo e em locais distintos.

        Grato mais uma vez pela colaboração.

  7. Ao irmão Gersonsena
    Só é possível ter empatia quando passamos semelhantes experiências e as mesmas dores como eu.

    Porém eu diria no seu titulo que a igreja é um bem necessário evolutivo ! Se alguém mostrar-me alguma associação ou instituição que não tenha avarias de discórdias e contentas mostre-me que eu negarei a minha fé. Até na igreja Primitiva estabelecida ou organizada por Cristo era desarmonia e onde satanás mas se fazia presente por 24 horas.

    O Apóstolo Paulo n]ao era bem visto ou aceito pelos demais pelos crimes cometidos e perseguições aos santos e torturas antes de ser convertido e por isso tinha um espinho na carne que teria que suportar. Mateus coletor de impostos tb não, Pedro com suas grosseria e bruto frustrava as expectativas e fé de muitos por negar a Cristo . Pedro e Paulo não eram unânimes e divergiam ,Paulo queria Pregar o Evangelho aos gentios e Pedro se recusava com certo preconceito; sem falar nas igreja que disputavam entre si e os lideres e isso é fato real. Satanás queria não só cirandar Pedro como todos que fossem representa-se uma ameaça .

    Sem falar de judas que era tratado como amigo de Cristo, onde ele declarou no livro de Isaías.
    Cristo declara que ELE foi traído pelos SEUS. E o que dizer do seu próprio povo judeu que o traiu.

    Uma das maiores provações que Cristo passou fora a EXPIAÇÃO que tá em primeiro lugar . foi ser traído, e sim pelo seu povo, não porque tenha o levado a crucificação, mais por terem se apostatado e olhado-o como um líder imperfeito.

    E a maior provação por muitos acontece internamente entre nós mesmos com nossa obscuridade espiritual e atrofiada. Uns usam só de autoridade e esquecem e não desenvolveram o poder do amor e irmandade, caridade, misericórdia , perdão e querem arrancar o joio ou as urtigas antes do tempo ou os mesmos não se colocam como sendo o joio e sendo a própria urtiga.

    Racionalizo dizendo que a minha maior decepção é não alcançar o Reino Celestial com minha família; não mim choca saber que vizinho mata vizinhos e irmãos contra irmãos, que fulano adulterou ou outros se tornaram homossexuais e outros drogados, e pra isso temos que estar preparados e fortes e agir pela razão e não deixar que a melancolia, neuroses e paranoias tomem conta de nosso testemunho.

    Costumo chamar essas situações de fogo Amigo, que é um termo usado no Exercito de um soldado ferir outro sem intenção.

    Tiremos todos os líderes desse jogo e só restará a essência pura e verdadeira do Evangelho e ai estar o caminho Pra Exaltação.

    Existe uma artimanha de satanás de contagiar as pessoas dignas com decepções, infligindo a hipersensibilidade que é melancolia permanente.

    Quando aprendermos a ser dono de nossas emoções, pensamentos e controle psíquicos a perfeição logo brotará com maturidade espiritual.

    Satanás ele é um ser milenar e domina todas as técnicas psíquicas tanto que induziu a mente de uma terça parte e é o seu maior domínio sobre assassinos em serie, suicidas , sexolatras , psicopatas, pedófilos, estupradores, corrupção e etc.

    Como membro há 36 anos, passei pior do que vc e das piores situações e me ergui e travei uma luta espiritual literalmente com o eixo do mal e aliados que não foi fácil, porém aprendi muito sobre o seu domínio e suas técnicas literalmente , e passei a retomar todo o meu campo de batalha perdido e aprendi e aprendi como os senhores das trevas trabalha e induz magneticamente as mentes humanas e tive que enfrentar coisas macabras que até os portadores do Sacerdócio são céticos a respeito.

    Vivi coisas além dessa matéria densa espiritualmente e sempre estou em vigília, alcancei níveis de sensibilidade espiritual e percepções e hoje procuro ensinar e ajudar outros membros sobre esses fenômenos.

    Tudo teve um propósito, uns tem que passar pela fornalha e outros não, os que passam por essa fornalha tem algo mais especial e será um bom instrumento.

    Se desejar saber mais, conheço muito bem sobre esses domínios mentais, psíquicos, físicos, assim como esquizofrenia, neuroses, paranoias, psicose; pois tudo origina-se não na matéria e sim espiritualmente até as doenças físicas.

    Por isso, tudo tem a razão e a plenitude que esse Evangelho é o único verdadeiro pois contemplei coisas transcendentais.

    • Seu comentário é pertinente e contributivo, Araujo. É um tipo de reflexão necessário e que não deve apenas ficar no campo da teoria.

      Lembrando que o título é ‘questionativo’ (para gerar reflexão) e não afirmativo. Servindo apenas ao papel de criar curiosidade sobre a postagem produzindo desejo pela leitura (seja por curiosidade ou já com interesse de alguma defesa preconcebida).

      Abraço.

  8. Eu passei por maus lençóis. Cada ala tinha um obsessor pra me atazanar. Quando se é solteiro, vai pro púlpito reger e não namora é porque é gay; se chega próximo da missão, se não for rápido vai se afastar, ou “vai voltar antes do tempo”; se casa rápido demais é porque quebrou o sétimo… já passei por cada uma! Mas se esse é o teste, voilà… Cristo alertou: “se vagas encapeladas conspirarem contra ti” ou seja, se essas turbas furiosas se levantarem contra ti… é,sempre lembrei que foi pro meu crescimento espiritual. Mas isso é tão chato, fora os “veácos” que pedem dinheiro emprestado, não pagam e ainda se retiram da roda de oração do templo se fazendo de vitimas. Sabe, no final, todo mundo vai parar no mesmo buraco… assim “aduz” o nosso poeta Pinduca.

    • Até na igreja Primitiva organizada por Cristo tinha um grau de desarmonia ,e onde satanás mas se fazia presente por 24 horas.

      O Apóstolo Paulo não era bem visto ou aceito pelos demais apóstolos, pelos crimes cometidos , perseguições aos santos e torturas, , antes de ser convertido e por isso tinha um espinho na carne que teria que suportar.

      Mateus coletor de impostos tb não, Pedro com suas grosseria e bruto frustrava as expectativas e fé de muitos por negar a Cristo .

      Pedro e Paulo não eram unânimes e divergiam ,Paulo queria Pregar o Evangelho aos gentios e Pedro se recusava com certo preconceito; sem falar nas igreja que disputavam entre si e os lideres e isso é fato real. Satanás queria não só cirandar Pedro como todos que fossem representa-se uma ameaça .

      Sem falar de judas que era tratado como amigo de Cristo, onde ele declarou no livro de Isaías.
      Cristo declara que ELE foi traído pelos SEUS. E o que dizer do seu próprio povo judeu que o traiu.

      Uma das maiores provações que Cristo passou fora a EXPIAÇÃO que tá em primeiro lugar . foi ser traído, e sim pelo seu povo, não porque tenha o levado a crucificação, mais por terem se apostatado e olhado-o como um líder imperfeito.

      E a maior provação por muitos acontece internamente entre nós mesmos com nossa obscuridade espiritual e atrofiada. Uns usam só de autoridade e esquecem e não desenvolveram o poder do amor e irmandade, caridade, misericórdia , perdão e querem arrancar o joio ou as urtigas antes do tempo ou os mesmos não se colocam como sendo o joio e sendo a própria urtiga.

      Racionalizo dizendo que a minha maior decepção é não alcançar o Reino Celestial com minha família; não mim choca saber que vizinho mata vizinhos e irmãos contra irmãos, que fulano adulterou ou outros se tornaram homossexuais e outros drogados, e pra isso temos que estar preparados e fortes e agir pela razão e não deixar que a melancolia, neuroses e paranoias tomem conta de nosso testemunho.

      Costumo chamar essas situações de fogo Amigo, que é um termo usado no Exercito de um soldado ferir outro sem intenção.

      Tiremos todos os líderes desse jogo e só restará a essência pura e verdadeira do Evangelho e ai estar o caminho Pra Exaltação.

      Existe uma artimanha de satanás de contagiar as pessoas dignas com decepções, infligindo a hipersensibilidade que é melancolia permanente.

      Quando aprendermos a ser dono de nossas emoções, pensamentos e controle psíquicos a perfeição logo brotará com maturidade espiritual.

      Satanás ele é um ser milenar e domina todas as técnicas psíquicas tanto que induziu a mente de uma terça parte e é o seu maior domínio sobre assassinos em serie, suicidas , sexolatras , psicopatas, pedófilos, estupradores, corrupção e etc.

      Como membro há 36 anos, passei pior do que vc e das piores situações e me ergui e travei uma luta espiritual literalmente com o eixo do mal e aliados que não foi fácil, porém aprendi muito sobre o seu domínio e suas técnicas literalmente , e passei a retomar todo o meu campo de batalha perdido e aprendi e aprendi como os senhores das trevas trabalha e induz magneticamente as mentes humanas e tive que enfrentar coisas macabras que até os portadores do Sacerdócio são céticos a respeito.

      Vivi coisas além dessa matéria densa espiritualmente, e sempre estou em vigília, alcancei níveis de sensibilidade espiritual e percepções e hoje procuro ensinar e ajudar outros membros sobre esses fenômenos.

      Tudo teve um propósito, uns tem que passar pela fornalha e outros não, os que passam por essa fornalha tem algo mais especial e será um bom instrumento.

      Se desejar saber mais, conheço muito bem sobre esses domínios mentais, psíquicos, físicos, assim como esquizofrenia, neuroses, paranoias, psicose; pois tudo origina-se não na matéria e sim espiritualmente até as doenças físicas.

  9. Em relação ao tema, pude perceber através de minhas próprias experiências, e isso é impressionante e ao mesmo tempo natural, que basicamente dois (sem desconsiderar outros) sentimentos geram tais atitudes: estupidez (grosseria pura e simples) ou competição. Percebi que alguns, nem ao menos percebem (o que exclui automaticamente má-fé) as consequências de suas ações em relação aos que vão embora. Creio, sem medo de errar, que a psicologia, sociologia, antropologia, etc. podem explicar claramente tais atitudes, acima de tudo humanas e naturais, apesar de condenáveis.

    Gerson, replicando suas palavras, também não sou e nem me sinto um especialista na área de humanas e comportamento, porém é extremamente visível os aspectos tratados no post nos relacionamentos interpessoais dos membros na Igreja.

    Por diversas vezes, pude constatar uma confusão persistente entre membros da Igreja, relacionado aos três conceitos distintos das parábolas da ovelha perdida, dracma perdida e do filho pródigo. Temos aqui, evidentemente três situações completamente diferentes que se completam (e não descarto outras), no entanto, na Igreja, uma interpretação persistente impera, ou seja, a ovelha, a dracma e o filho pródigo são tudo uma coisa só. Então quando se fala de reativação, fala-se sempre em buscar a ovelha perdida (observe que no princípio ensinado, a ovelha se perdeu por sua própria e exclusiva culpa, negligência ou imprudência). E a dracma perdida? a meu ver, o foco de seu post. O que fazer? E o filho pródigo? Esta sim, outra situação, é ele e apenas ele que decide retornar sem ser procurado, ele encontra a si mesmo. Mas a dracma perdida, que alguns membros e líderes da Igreja insistem em não ver, indica responsabilidades por sua perda que não é dela própria e sim de outros (as), a culpa, imprudência ou negligência se existe, não foi dela.

    Quando cita em seu post: “Algo que somente na atualidade percebo é o quanto as pessoas acreditam cegamente que por estarem ‘na igreja’ estarão ‘protegidas’ de ações descuidadas ou mesmo mal intencionadas de outros ‘irmãos’…”, você acerta com uma precisão absoluta. Considerando que a Igreja ensina doutrinariamente ser os membros deuses em embrião, portanto, com uma centelha divina em cada um, reunidos no Reino de Deus em preparação para o Reino Celestial.

    Recordo um de meus primeiros sentimentos ingênuos em relação à Igreja (e creio que apenas eu conhecia meu sentimento), foi de que, nossas imperfeições deveriam ficar no portão das capelas, em seu interior e entre irmãos deveríamos expressar o melhor em cada um de nós, naquilo que temos de mais sublime. Quanta ingenuidade (reconheço de minha parte), com uma forte pitada de infantilidade; não é assim que funciona as relações humanas infelizmente ou felizmente. Percebi algo semelhante em muitos recém-conversos (não todos), muitas vezes. Eles ficam muito bem no início, são felizes, acreditam nos membros e líderes da Igreja, possuem um forte desejo de mostrar o seu melhor e acha que todos os membros fazem a mesma coisa. O tempo passa, recebem chamados, participam de reuniões de lideranças, etc., e o “encanto” (considerando as exceções) perde seu efeito, ao notarem também dentro da igreja um mundo hostil. Que repito, se justifica por ser completamente natural e humano, porém condenável.

    • Ótimo comentário, Evandro (por sinal meu xará, pois tenho Evandro no nome também… é uma história engraçada… :D).

      Muito interessante sua abordagem e peço já licensa para utilizar sua abordagem interpretativa (ovelha, dracma e filho pródigo) em discurso ou treinamento de liderança assim que eu tiver oportunidade.

      E fico igualmente feliz por ser também um sobrevivente, na esprança que possamos saber cada vez mais “erguer as mãos que pendem e os joelhos que enfraquecem” (D&C 81:5).

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s